terça-feira, 31 de março de 2009

Poemas em livros infantis e livro sem texto




A Bruxinha Atrapalhada, de Eva Furnari (Editora Global)

Instiga as crianças coma história, sem texto, de uma bruxinha que realiza seus desejos com a ajuda de uma varinha mágica, sofrendo as mais engraçadas conseqüências. A partir de 4 anos.




Exercícios de Ser Criança, de Manoel de Barros (Editora Salamandra)

Ótima chance de apreciar as brincadeiras e molecagens do poeta. O Menino Que Carregava Água na Peneira e A Menina Avoada vêm apresentadas com fotografias de delicados bordados feitos sobre ilustrações de Demóstenes Vargas. A partir de 7 anos.



Jardins, de Roseana Murray e desenhos de Roger Mello (Editora Manati)

A autora se inspira nas flores e nas cores dos jardins para elaborar uma poesia que ora facilita a compreensão, ora provoca dúvida nos pequenos leitores. Típico da poesia. A partir de 6 anos.


Fonte:cresceronline

sexta-feira, 27 de março de 2009

Professores: a que ponto chegamos?


Leia com atenção os 7 (sete) motivos para você se tornar um Professor do Estado

(circulando na internet)

7 (sete) é um número de destaque, pois ele simboliza a perfeição: em sete dias Deus fez o mundo, sete são as cores do arco-íris, mas também sete é conta de mentiroso. O 7 aqui será utilizado em relação à educação e, mais especificamente, ao professor.
Ser professor é socializar o saber, é construir, juntamente com o discente, um conhecimento que valorize o meio em que atua. Por isso, destacar-se-ã o 7 motivos para incentivar, você, leitor a ingressar nessa brilhante carreira.

Leia-os com atenção e anote todos os detalhes:

1. Estude muito e leia bastante, principalmente a vida de São Francisco de Assis; lembre-se de que você também terá que fazer um voto eterno de pobreza;

2. Prepare-se para manejar certos instrumentos, com o giz e o apagador. Para tal, orientamos o personal stylest de Michael Jackson; você precisará de luva e máscara durante as aulas;

3. Manter-se em forma não será problema para você; com o corre-corre de uma escola para outra, você estará evitando o sedentarismo; com o salário que receberá, não precisará fazer regime; e caso precise complementar a cesta básica do mês, você ainda terá o privilégio de usar o TÍCKET DE 4 REAIS;

4. O educador é o único que pode acumular cargos: além de ministrar aulas em3 ou 4 colégios diferentes, ainda sobra tempo para ser sacoleiro, levando para as escolas os últimos lançamentos do Paraguai ou sendo importante representante de empresas como a AVON, a HERMES e a SHOPPING MAIS;

5. A formação continuada do professor é algo bastante importante e valorizada pelo governo. Com sorte, você será selecionado para ficar em um grande e luxuoso hotel como o IAT, desfrutar de ótimas instalações e saborear um cardápio variado; tudo isso com uma localização privilegiada e com vista para o ma...to;

6. O local de trabalho deve ser evidenciado: o educador, quase sempre, trabalha em escolas-modelo, cujo slogan é a fartura: 'farta' limpeza, 'farta' funcionário, 'farta' material didático, enfim, 'farta' tudo;

7. Por fim, você desfrutará de um plano de saúde de ótima qualidade, cuja eficiência é demonstrada nos consultórios psiquiátricos repletos de professores que, ao completarem a idade e o tempo de serviço, já se encontram fatigados pelo trabalho, sugados pelo sistema e em pleno desmoronamento físico além do mental.

Assim, depois de ler essas sete dicas, não perca a oportunidade e não desista: vá a um posto do estado e inscreva-se no concurso do REDA. O estado quer lhe receber de braços abertos. O nosso lema é: 'PAGUE PARA ENTRAR, REZE PARA SAIR'. Aos que já se encontram desfrutando desse 'néctar' que é ser funcionário da SEE, nossos parabéns, você é persistente e capaz. Possivelmente, não terá recompensa aqui na terra, mas é certo que já tenha adquirido lugar privilegiado no céu.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Humor na ortografia.




Clique p/ aumentar a imagem.

sábado, 21 de março de 2009

sexta-feira, 20 de março de 2009

Mais um repente do Miguezim de Princesa


EU QUERO A MINHA DIRETORIA
Miguezim de Princesa

I
Senadores da República,
Venho relatar meu tormento:
Trabalhei a vida inteira,
Tive um fusca e um jumento,
Mas não consigo juntar
Dinheiro para comprar
Uma casa ou apartamento.

II
Depois de muito lutar,
Vim parar na capital,
Onde tudo é muito caro
Na especulação fatal.
Por mais que tenha apelado,
Difícil é ser contemplado
Com imóvel funcional.

III
Trabalho até altas horas
Da vista se irritar,
Da perna ficar dormente,
Do cabelo arrepiar,
Da coisa mudar de tom,
Mas hora-extra que é bom
Ninguém vem pra me pagar.

IV
Quando vou à Paraíba
Num baú a chacoalhar,
Não aparece um cristão
Disposto a me ajudar
Com uma passagem de avião
Pra melhorar meu padrão
E o cansaço aliviar.

V
Princesa é como no México:
Esse celular normal,
Que a gente compra nas lojas,
Quando pega, pega mal.
Assim quando lá eu for,
Vou pedir ao senador
Um celular funcional.

VI
Quero ingressar no Senado,
Ser funcionário exemplar,
Tomar conta de garagem,
Limpar o chão, capinar,
Dirigir escadaria,
Mas depois, no fim do dia,
Degustar um caviar.

VII
Eu quero ser diretor
Para dar nó de gravata,
Ficar enrolando bufa
Ou filmando passeata,
Ganhar mais que senador,
Passear no corredor
Só espalhando bravata.

VIII
Eu quero ser diretor
Montado na brilhantina,
Cheio de ajuda de custo
Para botar gasolina
No posto do meu irmão
Que fica na contramão
Da ética que me arruína.

IX
Diretor eu quero ser
Para um assunto retado:
Passar o dia flanando
Atrás de rabo assanhado
De piriguetes sabidas
Que se fingem de perdidas
No corredor do Senado.

X
Eu quero ser diretor,
Bem nos conformes da lei.
Só que existe um problema:
A lotação eu não sei.
Eu topo qualquer lugar,
Até mesmo pra escovar
O bigode do Sarney.

(circulando na internet)

quinta-feira, 19 de março de 2009

SRD/ O que é isso?


Da Revista da Folha:
Cães sem raça definida caem nas graças dos descolados, que partem para a adoção consciente

Vira-lata é 'cult'
[por Deborah Giannini]

"Adotar um 'sem-terra' é superchique. Todo mundo que tem um cachorro de raça deveria também adotar um de rua, acho bacana", diz a banqueteira Maria Alice Solimene, que já teve dois beagles e hoje é dona de um vira-lata chamado "Sem Terra", abandonado na esquina de sua casa, na Vila Nova Conceição.

Compartilhando filosofia parecida, o artista plástico Rodrigo Bueno, 37, proprietário do antiquário Passado Composto, nos Jardins, diz com orgulho que é dono de cães sem pedigree: Cosme, Damião e Preta, todos sem raça definida, foram retirados de entidades protetoras. "Eles são únicos e muito afetuosos. Você não tem que ficar ensinando, já sabem o que fazer", conta ele, que já teve pastor e dogue alemão.

A glamourização do vira-lata se reflete em números. De acordo com a ONG "Vira-lata é Dez", que mantém 450 cães e 60 gatos, a procura por adoção aumentou 30% desde o início do ano. "As pessoas estão mais conscientes, às vezes levam até cães velhinhos e com deficiência física, o que não acontecia antes. Pensam: por que vou comprar um cão de R$ 1.000, se há tantos animais em asilos precisando de uma família?", diz Ana Tancredi, presidente da ONG.

A veterinária Andréa Acaui, que organiza feiras de adoção, concorda que ter um vira-lata hoje se tornou "cult", mas apenas entre os "politicamente instruídos". "Quem procura por vira-lata é o pessoal descolado mesmo. Isso independe de condições financeiras. Na feira de adoção, as pessoas mais pobres geralmente querem bichos de raça", conta.

O lado bom dessa "moda", segundo ela, é que incentiva as pessoas a tirar os animais das ruas. E com uma
vantagem para os donos: os cães adotados de entidades protetoras já vêm vacinados, vermifugados e castrados.

"Não é bom pegar animais diretamente da rua, pois podem transmitir doenças ao dono e a outros cães da casa. E, ao levar um cão de rua para casa, é importante lembrar que ele precisa manter uma vida social. Deixá-lo confinado também configura maus-tratos", afirma.

Na Uipa, a entidade protetora de animais mais antiga de São Paulo com 110 anos e cerca de 1.200 cachorros disponíveis, a procura por adoção cresceu sobretudo nos últimos dois anos. Segundo Vanice Teixeira Orlandi, presidente do órgão, dois tipos se interessam pela adoção de SRDs: gente que realmente quer salvar um cão sem dono e gente que quer apenas economizar.

Beleza é questão subjetiva. "Não dá para dizer se o vira-lata é doável ou não, isso depende do quanto ele é capaz de comover. A idéia
inicial, de adotar um vira-lata filhote, doce e saudável, se dilui quando as pessoas descobrem suas histórias, acabam levando até idoso e paraplégico", conta Vanice.

No Centro de Controle de Zoonoses, os cerca de cem animais disponíveis para adoção foram selecionados entre os mais dóceis e jovens (até um ano) encontrados na rua -os demais são sacrificados, em torno de 50 por dia. "No CCZ são adotados 50 cães por mês, em média. A maioria das pessoas vem com o desejo de salvar um animal, com a idéia de dar lar àquele que foi rejeitado", afirma a veterinária Elisabete Aparecida da Silva, do CCZ. Assim como acredita Vanice Orlandi, da Uipa, mais do que ter um vira-lata em casa, o que tem que entrar na moda, é o respeito aos animais, com ou sem raça.

Concordamos plenamente!

quarta-feira, 18 de março de 2009

Rafael: um artista da Renascença

(texto, em sua maior parte, e fotos extraídos dea Wikipedia)


alt=""id="BLOGGER_PHOTO_ID_5314731307777119954" />



Obra: O nascimento de Vênus de Boticelli

O termo Renascimento é aplicado a um período de amplas realizações culturais que se estendeu por três séculos. Artistas, filósofos, cientistas e governantes acreditavam que o caminho para a grandeza e o esclarecimento passava pelo estudo das épocas áureas dos antigos gregos e romanos. Rejeitavam o passado medieval. Inspirados pelo Humanismo, voltavam-se para as tradições literárias e filosóficas da Antiguidade greco-romana.

A transição da pintura gótica para a Renascença não se deu da noite para o dia. Por causa da Peste Negra, o mais importante pintor italiano após Giotto foi nascer somente em 1401. Ocorreu um novo despertar com Masaccio. Ele é o revolucionário fundador da pintura renascentista. Ele também foi influenciado pelos escultores italianos da época (Donatello, Lorenzo Ghiberti) e pelo arquiteto Brunelleschi. O realismo escultórico está no cerne da pintura renascentista. Paolo Uccello trouxe, junto com Leon Battista Alberti, a perspectiva, que foi fundamental para a pintura posterior. Em seguida a Masaccio, o próximo grande pintor da Primeira Renascença foi Sandro Botticelli. O traço nítido e as linhas sinuosas de suas figuras tiveram a influência dos irmãos Pollaiuolo, que eram também ourives e escultores. Sua arte foi elaborada na corte da Família Médici, em Florença, e reflete o ambiente esclarecido da corte. Outro grande mestre e gênio do período foi Piero della Francesca, que mostrou em sua obras um interesse pelas paisagens reais (ao estilo do norte da Europa). Andrea Mantegna, por sua vez, foi o primeiro grande pintor da Itália setentrional.


A Alta Renascença
Mona Lisa, de Leonardo da Vinci.



Dadas as conotações do termo Renascimento, é óbvio que percebe-se que o termo denota um progresso nas artes. Mas nunca houve um tamanho amadurecimento das artes quanto na chamada Alta Renascença. Nesse período, encontramos alguns dos maiores artistas de todos os tempos: Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael, Ticiano, Tintoretto e Veronese. Leonardo, Michelangelo, Rafael e Ticiano foram todos aprendizes de Andrea del Verrocchio, um pintor cativante, que também foi importante na escultura. Leonardo da Vinci, um gênio da humanidade, criou a Mona Lisa, um dos quadros mais importantes da história. Michelangelo foi, em vida, com da Vinci, universalmente considerado um artista supremo. Seu mestre foi Domenico Ghirlandaio, pintor florentino. É no teto da Capela Sistina que observamos Michelangelo em toda sua majestade.





Nesta obra, encomendada para adornar o quarto dos bispos, Rafael colocou de forma disfarçada Hiphatia, uma mulher assassinada em nome da igreja.


Rafael, por sua vez, foi aprendiz de Pietro Perugino. Sua vida foi curta, mas mostrou diferentes fases que evidenciam a evolução de sua pintura. Em Veneza, outro grupo de artistas influenciou a arte da época: Giorgione, cuja vida também foi breve; Ticiano, cuja obras mostram um desenvolvimento extraordinário da juventude até a velhice; e Tintoretto, pintor de telas extravagantes e de grande teor emocional. Por fim, é necessário mencionar também Paolo Veronese, mestre da arte decorativa.

terça-feira, 17 de março de 2009

Ilustradora


Mariana Massarani
Suas menininhas ruivas estão por toda parte: na fachada de uma loja de brinquedos na Vila Madalena, na propaganda de um suco natural e, é claro, nos livros infantis. Ruiva, surfista e zen, essa carioca consegue representar com suas ilustrações a alma das crianças: divertida, descontraída, simples. Esta ilustração faz parte do consagrado Mania de explicação.
(postado no blog Guindaste)http://www.interney.net/blogs/guindaste

segunda-feira, 16 de março de 2009

Mulheres maleáveis


Vejam como nós mulheres, somos maleáveis.( circulando na internet)


O QUE EU QUERO NUM HOMEM?

LISTA ORIGINAL:

EU QUERO UM HOMEM QUE...

1. SEJA LINDO,
2. ENCANTADOR,
3. FINANCEIRAMENTE ESTÁVEL,
4. UM BOM OUVINTE,
5. DIVERTIDO,
6. EM BOA FORMA FÍSICA ,
7. SE VISTA BEM,
8. APRECIE AS COISAS MAIS FINAS,
9. FAÇA MUITAS SURPRESAS AGRADÁVEIS,
10. SEJA UM AMANTE CRIATIVO E ROMÂNTICO.
________________________________________________________

LISTA REVISADA AOS 32 ANOS

EU QUERO UM HOMEM QUE...

1. SEJA BONITINHO,
2. ABRA A PORTA DO CARRO E AFASTE A CADEIRA PRA EU ME SENTAR,
3. TENHA DINHEIRO O SUFICIENTE PARA UM JANTAR AGRADÁVEL,
4. OUÇA MAIS DO QUE FALE,
5. RIA DAS MINHAS PIADAS,
6. CARREGUE AS SACOLAS DO MERCADO COM FACILIDADE,
7. TENHA NO MÍNIMO UMA GRAVATA,
8. APRECIE COMIDA CASEIRA,
9. LEMBRE DE ANIVERSÁRIOS E DATAS ESPECIAIS,
10. PROCURE ROMANCE PELO MENOS UMA VEZ POR SEMANA.
________________________________________________________

LISTA REVISADA AOS 52 ANOS!

EU QUERO UM HOMEM QUE...

1. NÃO SEJA MUITO FEIO,
2. ESPERE EU ME SENTAR NO CARRO ANTES DE COMEÇAR A ACELERAR,
3. TENHA UM EMPREGO FIXO - GOSTE DE JANTAR FORA OCASIONALMENTE,
4. BALANCE A CABEÇA ENQUANTO EU FALO,
5. GERALMENTE SE LEMBRE DAS FRASES MAIS ENGRAÇADAS DE ALGUMAS PIADAS,
6. ESTEJA EM BOA FORMA PELO MENOS PARA MUDAR A MOBÍLIA DE LUGAR,
7. USE CAMISETAS QUE CUBRAM SUA BARRIGA,
8. NÃO COMPRE CIDRA ACHANDO QUE É CHAMPAGNE,
9. SE LEMBRE DE ABAIXAR A TAMPA DA PRIVADA,
10. FAÇA A BARBA QUASE TODOS OS FINAIS DE SEMANA.

_______________________________________________________

LISTA REVISADA AOS 62 ANOS!


EU QUERO UM HOMEM QUE...


1. CORTE OS PÊLOS DO NARIZ E DAS ORELHAS,
2. NÃO SE COCE NEM CUSPA EM PÚBLICO,
3. NÃO PEGUE DINHEIRO EMPRESTADO O TEMPO TODO,
4. NÃO BALANCE A CABEÇA ATÉ DORMIR ENQUANTO EU ESTOU RECLAMANDO,
5. NÃO CONTE A MESMA PIADA O TEMPO TODO,
6. ESTEJA EM BOA FORMA PARA CONSEGUIR LEVANTAR DA POLTRONA NOS FINAIS DE
SEMANA,
7. NORMALMENTE USE UMA MEIA COMBINANDO COM A OUTRA E CUECAS LIMPAS,
8. APRECIE UM BOM JANTAR A FRENTE DA TV,
9. LEMBRE DO MEU NOME DE VEZ EM QUANDO,
10. FAÇA A BARBA EM ALGUNS FINAIS DE SEMANA.
___________________________________________________________



LISTA REVISADA AOS 72 ANOS

EU QUERO UM HOMEM QUE...


1. NÃO ASSUSTE AS CRIANÇAS PEQUENAS,
2. LEMBRE ONDE FICA O BANHEIRO,
3. NÃO PEÇA MUITO DINHEIRO,
4. RONQUE BEM BAIXINHO QUANDO DORME,
5. LEMBRE O PORQUÊ DE ESTAR RINDO,
6. ESTEJA EM BOA FORMA PARA FICAR DE PÉ SOZINHO,
7. NORMALMENTE USE UM POUCO DE ROUPA,
8. GOSTE DE COMIDA MACIA,
9. LEMBRE ONDE DEIXOU SEUS DENTES,
10. SAIBA QUANDO É FIM DE SEMANA.

________________________________________________________________________


LISTA REVISADA AOS 82 ANOS


EU QUERO UM HOMEM QUE...

... RESPIRE!!!

domingo, 15 de março de 2009

O perigo narguile


Saiba mais sobre a perigosa 'onda' do narguile.( circulando na internet)

Lembram do gato, um personagem, da história da Alice? Lewis Carrol já anunciava os efeitos danosos do Narguile.

Médicos garantem que a nova moda entre os jovens é perigosíssima. O narguile é tão nocivo quanto o cigarro! A única forma de minimizar os males causados pelo narguile é evitar o uso e não aspirar a fumaça.

Onde tem fumaça, às vezes, tem um narguile - e é aí que mora o perigo!

Mesmo porque o tradicional cachimbo d´água usado há milênios nos países do Sudeste Asiático e Oriente Médio agora é a nova moda entre os jovens no Brasil.

Tudo começou com a exibição na televisão de uma novela. Em seguida, bares e restaurantes aderiram à onda para agradar aos clientes. Assim, de boca em boca, o que era moda tornou-se uma febre. Entre a garotada corre a falsa informação de que esse tipo de fumo não faz mal à saúde.

Além disso, a internet é outro canal que tanto pode informar, como desvirtuar a informação. Na rede 'pipocam' vídeos que estimulam o uso do narguile, ensinando como preparar o aparelho com fumo, vodka, maconha e outras substâncias, o que torna o cachimbo ainda mais perigoso.

Em virtude da mistura de inúmeras essências, o narguile tem aromas variados. É feito com um fumo especial (um melaço, subproduto do açúcar). Os sabores mais conhecidos, são: pêssego, maçã-verde, coco, flores e mel. Atualmente no mercado brasileiro, o narguile, narguilé, ou arguile é encontrado em diversos formatos, com 1 a 12 saídas de mangueiras, personalizados, podendo equipar com diversos acessórios.

Como funciona

Ele funciona quando é aspirado por um tubo que reduz a pressão no interior do aparelho, fazendo com que o ar aquecido pelo carvão passe pelo fumo, produzindo a fumaça. Essa fumaça desce até a base, onde é resfriada e filtrada pela água, que retém algumas partículas sólidas. A fumaça segue pelo tubo até ser consumida pelo usuário com o sabor da essência escolhida.

Segundo o médico Sérgio Ricardo Santos, presidente da Comissão de Tabagismo da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), o narguile causa ainda mais males do que o cigarro, pelo potencial de transmitir também doenças infecciosas – já que é usado por mais de uma pessoa ao mesmo tempo sem a devida esterilização. Vale lembrar que o seu uso é proibido para menores de 18 anos, assim como o cigarro.

Apesar de toda informação disponível, muitos pais ainda desconhecem os perigos oferecidos pelo narguile.. Há casos de pais que chegam a presenter seus filhos adolescentes com o aparelho.

Por isso, antes de sair por aí tomando uma atitude como essa ou autorizar que seu filho participe de uma roda de narguile, é importante conhecer as verdadeiras consequencias que esse hábito pode ter.

Efeitos à saúde

Também conhecido como ‘hookah’ nos países de língua inglesa, ou por ‘shisha’ no norte da África, o narguile pode causar diversas doenças, sendo as respiratórias as mais observadas. Especialistas em doença respiratórias advertem que 50 tragadas são suficientes para viciar. Isso ocorre devido à nicotina, que causa a chamada sensação de bem-estar, adverte o médico José Eduardo Delfini Cançado, presidente da SPPT.

Estudos recentes contrariam a crença popular de que a água ajudaria a filtrar as impurezas do fumo, tornando-o menos nocivo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que a fumaça inalada em uma sessão de narguile, que pode durar entre 20 minutos e uma hora, corresponde à inalação de 100 a 200 cigarros. E são consumidos até 10 litros de fumaça, pois a presença da água faz com que se aspire mais fumaça, que se torna mais tolerável. Dessa maneira, inala-se maior quantidade de toxinas.

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) realizou uma pesquisa em 2006 com 3.189 universitários brasileiros, na qual mostrou que depois do cigarro, o narguile foi apontado como a forma mais freqüente de consumo do tabaco entre esses jovens.

Ainda segundo o INCA, o compartilhamento da piteira e da mangueira também pode ter sérias consequencias. Em países onde o uso é acentuado, como na Índia, existe um alto risco de transmissão de hepatite A, herpes, tuberculose e outras doenças infecciosas.

O que muitos pensam erroneamente é que esse tipo de fumo não é tão prejudicial à saúde. Longe disso: por conter diversas toxinas, o narguile pode causar câncer de pulmão e doenças cardíacas.. "A única forma de minimizar os males causados pelo narguile é evitar o uso e não aspirar a fumaça", alerta Sérgio Santos.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Homenagem



A Sandra Canti deixou para nós em seu site.

quinta-feira, 12 de março de 2009

quarta-feira, 11 de março de 2009

Gosta de vampiros?


Juana(orkut)
Breve biografia e obras completas
Anne Rice nasceu em 4 de outubro de 1941 em Nova Orleans, cidade que serve de cenário para grande parte de seus romances. Ela é formada em Ciência Política e Escrita Criativa pela Universidade de San Francisco. Publicou seu primeiro romance, o hoje consagrado Entrevista com o vampiro, em 1976, após a morte de sua filha Michele, vítima de leucemia. Atualmente, a autora vive em Nova Orleans, em um casarão vitoriano no Garden District, próximo ao cemitério Lafayette. Foi casada com o poeta e artista plástico Stan Rice, morto em 2002. Ela é mãe do também escritor Christopher Rice.

Obras completas:

* Crônicas Vampirescas

Interview with the vampire (1976) / Entrevista com o vampiro
The Vampire Lestat (1985) / O Vampiro Lestat
The Queen of the Damned (1988) / A Rainha dos Condenados
The Tale of the Body Thief (1992) / A História do Ladrão de Corpos
Mennoch The Devil (1995) / Mennoch
Armand (1998) / O Vampiro Armand
Merrick (2000) / Merrick
Blood and Gold (2001) / Sangue e Ouro
Blackwood Farm (2002) / Fazenda Blackwood
Blood Canticle (2003)


* Novos Contos de Vampiros

Pandora (1997) / Pandora
Vittorio the Vampire (1998) / O Vampiro Vittorio

Interview with the Vampire, livro escrito por Anne Rice em 1976, trata da história de vida do vampiro Louis.(Wikipedia)

O livro inicia com um jovem repórter entrevistando Louis, e este conta sobre sua vida antes de se tornar vampiro, como se transformou, como conheceu Lestat, a vampira Cláudia e Armand. Fala também de suas viagens e reflete sobre vários assuntos como a imortalidade.

Em sua versão brasileira, o livro "Entrevista com o Vampiro" foi traduzido pela célebre escritora Clarice Lispector.

O romance foi seguido de mais dois livros: O Vampiro Lestat e "A Rainha dos Condenados", também adaptados ao cinema, mas com a história dos dois livros em um único filme.

Indico o livro !Entrevista com o vampiro" ou o livro.

http://www.annerice.com Site oficial da autora

sexta-feira, 6 de março de 2009

Literatura Africana




Em meados do sec. XX, pode-se dizer que houve o surgimento de uma verdadeira literatura africana.Isso aconteceu por meio de escritoes de ascendencia africana ou por brancos que tinham nascido na África, produzindo, nessa época, mais poema do que prosa. Desta forma se uniram a tradição oral africana e a tradição escrita dos europeus.Muitas das obras, da época do colonialismo, retratavam o combate político deste momento.
Um desses autores foi Agostinho Neto (1922-1979). O poema a seguir, foi escrito quando ele estava na prisão.

Havemos de voltar

Agostinho Neto

Às casas, às nossas lavras
às praias, aos nossos campos
havemos de voltar

Às nossas terras
vermelhas do café
brancas do algodão
verde dos milharais
havemos de voltar

Às nossas minas de diamantes
ouro, cobre, de petróleo
havemos de voltar

Aos nossos rios, nossos lagos
às montanhas, às florestas
havemos de voltar

À frescura da mulemba
às nossas tradições
aos ritmos e às fogueiras
havemos de voltar

À marimba e ao quissange
ao nosso carnaval
havemos de voltar

À bela pátria angolana
nossa terra, nossa mãe
havemos de voltar

Havemos de voltar
À Angola libertada
Angola independente

Cadeia do Aljube, outubro de 1960. In: Faraco, Carlos Alberto. Português: lingua e cultura, p.190. 205. Base Editora.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Donde surgiram os Ovos da Pascoa?



Ovo de Páscoa

O hábito de dar ovos de verdade vem da tradição pagã. O hábito de trocar ovos de chocolate surgiu na França. Antes disso, eram usados ovos de galinha para celebrar a data.

A tradição de presentear com ovos - de verdade mesmo - é muito, muito antiga. Na Ucrânia, por exemplo, centenas de anos antes de era cristã já se trocavam ovos pintados com motivos de natureza - lá eles têm até nome, pêssanka - em celebração à chegada da primavera.

Os chineses e os povos do Mediterrâneo também tinham como hábito dar ovos uns aos outros para comemorar a estação do ano. Para deixá-los coloridos, cozinhavam-os com beterrabas.

Mas os ovos não eram para ser comidos. Eram apenas um presente que simbolizava o início da vida. A tradição de homenagear essa estação do ano continuou durante a Idade Média entre os povos pagãos da Europa.

Eles celebravam Ostera, a deusa da primavera, simbolizada por uma mulher que segurava um ovo em sua mão e observava um coelho, representante da fertilidade, pulando alegremente ao redor de seus pés.

Os cristãos se apropriaram da imagem do ovo para festejar a Páscoa, que celebra a ressurreição de Jesus - o Concílio de Nicéia, realizado em 325, estabeleceu o culto à data. Na época, pintavam os ovos (geralmente de galinha, gansa ou codorna) com imagens de figuras religiosas, como o próprio Jesus e sua mãe, Maria.

Na Inglaterra do século X, os ovos ficaram ainda mais sofisticados. O rei Eduardo I (900-924) costumava presentear a realeza e seus súditos com ovos banhados em ouro ou decorados com pedras preciosas na Páscoa. Não é difícil imaginar por que esse hábito não teve muito futuro.

Foram necessários mais 800 anos para que, no século XVIII, confeiteiros franceses tivessem a idéia de fazer os ovos com chocolate - iguaria que aparecera apenas dois séculos antes na Europa, vinda da então recém-descoberta América. Surgido por volta de 1500 a.C., na região do golfo do México, o chocolate era considerado sagrado pelas civilizações Maia e Asteca. A imagem do coelho apareceu na mesma época, associada à criação por causa de sua grande prole.Fonte: Wikipedia

domingo, 1 de março de 2009

Dicas de livros infantis


Sugestões de literatura infantil


A velhinha maluquete. Ana Maria Machado. São Paulo, Moderna. 1998.


O longo caminho até Santa Cruz. Michel Ende. São Paulo: Ática, 2002.


Felicidade não tem cor, Júlio Emílio Braz. São Paulo: Moderna, 2001.


Amigos. Helme Heine. São Paulo: Ática, 2002.


Coração esperto. Mery Weiss. Rio de Janeiro. Ediouro, 1999.


Eu & os outros – Melhorando as relações. Liliana e Michele Iacocca. São Paulo: Ática, 2002.


Falta um pé. Luciana Sandroni. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.


O rei Bigodeira e sua Banheira. Audrey Wood. São Paulo: Ática, 2002.


Coleção Leitura Fora de Série. Vários autores. Rio de janeiro: Ediouro, 2000.


Procurando firme. Ruth Rocha. São Paulo: Ática, 2002.


Rua das rosas, rua dos meninos. Fernando Lobo. São Paulo:FTD, 1999.


Quando eu comecei a crescer. Ruth Rocha. São Paulo: Ática, 2002.


O rei da rua. Jorge Fernando das Santos. São Paulo: Atual, 2001.


Alice no País das Maravilhas. Lewis Carroll. São Paulo: Ática, 2002.


Invente um Medo para Dormir. Rose Impey. São Paulo: Scipione, 2002.


Contos e Lendas de Amor. Trad. de Neide T. Maia Gonzáles. São Paulo: Ática, 2002.


Se... Será, Serafina? Cristiana Porto. São Paulo: Ática, 2002.


Serafina sem rotina? Cristiana Porto. São Paulo: Ática, 2002.

Cantadores de rua: a música aproxima

video
Dicionário inFormal

O dicionário de português gratuito para internet, onde as palavras são definidas pelos usuários.
Uma iniciativa de documentar on-line a evolução do português.
Não deixe as palavras passarem em branco, participe definindo o seu português!


http://www.dicionarioinformal.com.br/

About Me

Minha foto

Sou professora de Língua portuguesa.

Entrevistas com autores brasileiros

http://www.cronopios.com.br/perfil_literario/

Minha lista de blogs

Itens compartilhados de joyce

Páginas